Chester Bennington fez do peso de sua existência um alívio para os fãs

No refrão de “Heavy”, single lançado no início deste ano pelo Linkin Park, o vocalista Chester Bennington prolonga as notas como de costume, mas soa diferente. As melodias esticadas não são acompanhadas pela voz rasgada que o mundo conheceu no ano 2000, quando o sexteto norte-americano lançou “Hybrid Theory”, álbum de estreia marcado pela fúria potente da voz de Bennington.

“Heavy” foi o carro-chefe de “One More Light”, disco lançado em maio, e causou estranhamento a fãs e críticos. Na faixa, as notas limpas de Chester flutuam sobre uma base estranhamente doce, mais próxima do pop eletrônico do que da intensidade roqueira que popularizou o Linkin Park na virada do século.

Um tema, no entanto, liga os dois universos separados por 17 anos de êxito comercial e flertes com diferentes vertentes do rock moderno: uma angústia indomável, constante, frequente. Em “Heavy”, mesmo sobre a base instrumental discrepante, Chester discorre sobre se agarrar com dificuldade a algo que deixa tudo mais pesado (“heavy”, em inglês), e sobre como soltar as mãos talvez o faça finalmente livre.

Foi com essa habilidade de resumir em versos passionais as dores do amadurecimento que, em quase duas décadas de trajetória, Chester Bennington, morto aos 41 anos após cometer suicídio nesta quinta-feira (20), virou símbolo de uma nova geração do rock, e fruto de admiração de adolescentes e jovens adultos em todos os cantos do planeta.

Nascido em Phoenix, Arizona, em março de 1976, Chester cresceu torturado por uma história familiar triste. Por anos, foi vítima de abusos sexuais recorrentes cometidos por um amigo próximo da família, e, após a separação dos pais, se tornou dependente químico. Ainda adolescente, cogitou o suicídio, e foi perseguido pela depressão e pelo vício durante a maior parte da vida.

Paralelamente, havia a música. Chester se afeiçoou ainda cedo pela escuridão sentimental da cena inglesa dos anos 80, embalado por The Cure, Depeche Mode e The Smiths. Aos poucos, também se encantou pelo hardcore americano que brotava na mesma época, e viu de perto a explosão da cena grunge, onde encontrou em ídolos como Kurt Cobain, Chris Cornell e Scott Weiland exemplos de como transformar a própria dor em versos e letras. Passou então a escrever compulsivamente, e passou a cantar nas primeiras bandas.

Enquanto Chester engatinhava pelo universo musical, o rock americano se transformava em algo novo, ganhando groove e peso através do pioneirismo de bandas como Faith No More e Rage Against the Machine, além de forte influência do rap e do hip-hop. Eventualmente, Chester foi convidado a cantar no Xero, banda californiana que começava a se aventurar nesse novo som, posteriormente chamado de new metal.

Nossos parceiros